Categorias
De Mãe pra Mãe

Sua empregada fala inglês? II

Bom, eu não tenho empregada.

Não cheguei a esse nível de organização doméstica-familiar, ainda.

Mas tenho um braço direito, a tia Rosa.Coração de Barro

A tia Rosa é uma das minhas 4.597 tias. Meus avós (os 4) não tinham televisão, e tenho pelas minhas contas, 9 tiAs, somadas por parte de pai e de mãe. Sabe Deus, e minhas avós qtos tiOs.

Bom, a tia Rosa é a tia que ficou pra titia. Não casou, não teve filhos e não tem uma profissão. Morou a vida inteira com os pais e sempre ajudou as irmãs com os sobrinhos. Lembro que eu adorava qdo ela vinha pra minha casa (ou casa da minha mãe, ainda é confuso isso na minha cabeça).

Depois da morte dos meus avós, de quem ela cuidou até o fim da vida, ela saiu da cidade dela e veio pra São Paulo, pra ficar mais próxima da família.

Em março do ano passado ela largou o emprego que conseguiu aqui em São Paulo graças a um AVC.

Eu estava grávida de 7 meses do Samuel e apesar dos protestos das pessoas mais próximas, fui visitá-la no hospital onde ficou internada.

A cena dela sentada na maca, toda assanhada, faminta, tentando com muita dificuldade colocar com o braço esquerdo (já que tinha perdido parte dos movimentos do lado direito), um pouco de comida na boca, não saiu da minha cabeça até hoje. Foi tão forte quanto ver a Malu num bercinho de UTI com os bracinhos e pezinhos todos cheios de furos e fios 6 horas depois de dar a luz.

De lá pra cá, ela tem se dedicado integralmente a sua recuperação e a ajudar a família, afinal com tantos sobrinhos (tenho primo saindo pelo ladrão), SEMPRE, tem alguma coisa pra fazer. E eu sozinha, com dois pequenos, do outro lado da cidade sou a mais necessitada de seus préstimos.

Lógico que o AVC deixou consequências. Os movimentos do lado direito foram quase totalmente recuperados. Mas do ponto de vista psicológico as conseqüências foram maiores. Pelas minhas contas, ela ficou com a idade mental de uma criança de 10 anos, é teimosa, inconseqüente e imatura. E principalmente precisa de cuidado e carinho, igualzinho a uma criança mesmo.

E isso traz a tona uma máxima que ouvi uma vez:

“Nós cuidamos dos jovens, pra eles cuidarem de nós quando estivermos velhos.”

Será que é isso mesmo? Do barro viemos, pro barro voltaremos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.