Profissão: Mãe

Parabéns a todas as Profissionais (ou não)!

Há alguns meses, quando pegava as crianças na escola, percebi que uma mãe se aproximara de uma amiga. Estava chateada e muito indignada.

Sabe o que você e eu somos ? – lhe perguntou, e antes que a amiga pudesse dar-lhe uma resposta, que na verdade não sabia qual era, ela mesma respondeu. Parece que vinha de uma repartição onde tinha ido renovar sua carteira de motorista. Quando o funcionário que anotava os dados lhe perguntou qual era a sua ocupação, ela não soube responder.

Ao perceber isto, o funcionário lhe disse: – “ao que me refiro é se a Sra. trabalha ou é simplesmente uma… ?”
“Claro que tenho trabalho, lhe contestou, sou uma mãe!”.

E o atendente lhe respondeu: – “não posso por mãe como opção, vamos colocar dona de casa.”.
Foi a resposta enfática do funcionário.

A amiga havia esquecido por completo a história, até que um dia, se passou exatamente o mesmo com ela. A funcionária era obviamente uma mulher executiva, eficiente, elegante, e tinha uma cartela sobre sua mesa onde estava escrito:
“Interrogadora Oficial”:

– “Qual sua ocupação ?” ela perguntou.

Como ela iria responder ? As palavras simplesmente começaram a sair de sua boca:
“Sou uma Investigadora Associada no Campo do Desenvolvimento Infantil e Relações Humanas.”

A funcionária deteve a caneta que ficou congelada no ar, e olhou para a mãe como se não estivesse escutado bem.
Repetiu o título lentamente, pondo ênfase nas palavras mais importantes. Logo, observou assombrada como seu pomposo título era escrito em tinta negra no questionário oficial.
– “Permita-me perguntar-lhe”, disse a funcionária com ar de interesse, que é o que exatamente você faz no campo de pesquisa ?

Com uma voz muito calma e pausada, se ouviu sua resposta.
– “Tenho um programa contínuo de investigação (que mãe não o tem?) no laboratório e no campo (normalmente se costuma dizer ‘dentro’ e ‘fora’ de casa). Estou trabalhando no meu doutorado (a família completa) e já tenho 4 créditos (todas as suas filhas). Evidente que o trabalho é um dos que mais demanda tempo no campo de humanidades (alguma mãe está em desacordo ?) e usualmente trabalho umas 14 horas diárias (em realidade são mais, algo como 24 horas !). Porém, o trabalho tem muito mais responsabilidades que qualquer trabalho simples, e as remunerações, mais que somente econômicas, também estão ligadas à área da satisfação pessoal.”

Podia-se perceber uma crescente atitude de respeito na voz da funcionária, enquanto completava o formulário. Uma vez terminado o processo, se levantou da cadeira e pessoalmente acompanhou a “Investigadora” à porta.

Ao chegar em casa, emocionada por sua nova carreira profissional, saíram a recebe-la 3 de suas “cobaias” do laboratório, de 13, 7 e 3 anos de idade. Do alto, ela podia escutar a seu novo modelo experimental do programa de crescimento e desenvolvimento infantil (de 6 meses de idade), provando um novo padrão de vocalização.

Sentia-se triunfante !

Havia vencido a burocracia.

Havia entrado nos registros oficiais como uma pessoa mais distinguida e indispensável para a humanidade que somente “uma mãe a mais”.

A maternidade… que profissão mais brilhante. Especialmente quando tem um título na porta.
Trini
Amagintza – Grupo de Apoyo Lactancia y Maternidad – Espanha
joatri@teleline.es

Traduzido e adaptado por Marcus Renato de Carvalho para www.aleitamento.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

1 mãe falando sobre

  • Gisele Fiaux

    9 de maio de 2011 at 0:04
    MA-RA-VI-LHO-SO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Só uma mãe para descrever com tanta propriedade o ministerio de ser mãe. Parabéns por postar. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2009 De Repente: Mãe. Todos os direitos reservados. Não aceite Imitações.
PortfólioComunicação.com
SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.