Categorias
Gravidez

Famosas Grávidas

Esse é especial para as barrigudinhas de plantão.

Olhando essas fotos da até saudade dos barrigões…

Imagens: Divulgação

Categorias
De Mãe pra Mãe Gravidez

Grávidas- Antes e Depois

Para ver se me inspiro depois de ter tomado um puxão de orelha do meu médico.

E para as grávidas se animarem.

Fonte

Categorias
De Mãe pra Mãe Gravidez

Fumo e gravidez: uma combinação perigosa

Imagem do Ministério da Saúde

Eu sempre detestei cigarros.
Minha mãe fuma e fumou durante as duas gravidezes.
Resultados um filho de 20 anos que sempre sofreu com a Bronquite e uma filha de quase 30 com asma e blogueira (seqüelas mentais).
Não Fume!

Dá só uma olhada no texto abaixo da Dra. Bárbara, obstetra.

*Barbara Murayama – Médica ginecologista e obstetra na capital paulista, é especialista em Histeroscopia e titulada pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). CRM nº 112.527. Para saber mais: www.gergin.com.br e http://barbaramurayama.blogspot.com/

 
 O tabagismo traz diversos riscos à gestante e ao bebê. Mulheres que fumam têm de uma a três vezes mais probabilidade de dar à luz bebês de baixo peso 
 Por Barbara Murayama*Fumar na gravidez é um risco evitável, ao contrário de outros que a gente nem sempre consegue driblar, como o diabetes gestacional. E, entre os hábitos modificáveis, o tabagismo é o que mais traz riscos à gravidez. Segundo dados americanos de 2009, o hábito de fumar está associado a 5% das mortes infantis, a 10% dos nascimentos prematuros e a 30% dos casos de bebês nascidos pequenos para a idade gestacional. No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), ocorrem cerca de 200 mil mortes por ano por causa do uso de tabaco.Com relação às funções reprodutivas e à gravidez, o tabagismo – tanto ativo quanto passivo – aumenta o risco de infertilidade, de descolamento prematuro da placenta durante a gravidez, de rotura prematura da bolsa, de placenta prévia (ou baixa), gravidez ectópica (nas trompas) e aborto, entre outros resultados adversos.

Todas as mulheres grávidas devem ser questionadas sobre o uso de tabaco, mesmo antes de engravidar, quando se programa a gestação com o parceiro. A gravidez é uma oportunidade única para a intervenção médica. Mulheres que procuram o pré-natal devem ser avaliadas e receber reforço para abstinência a cada consulta.

A triagem é feita no consultório da obstetra, perguntando-se quantos cigarros se fuma por dia, mas é importante lembrar que não há níveis seguros para o consumo das substâncias presentes nesses produtos. O tabaco possui mais de 4.700 substâncias tóxicas, como monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído e partículas de nicotina e alcatrão.

Mulheres que fumam têm de uma a três vezes mais probabilidade de dar à luz bebês de baixo peso, e esse risco aumenta com o aumento do consumo de cigarros por dia – é considerado baixo peso ao nascer ter menos que 2.500 g. O risco de morte neonatal, isto é, em bebês com até 28 dias de vida, parece também ser maior em fumantes.

Apesar dos efeitos nocivos do tabagismo sobre a saúde das mães e do seu filho, estima-se que, nos Estados Unidos, 22% das mulheres em idade reprodutiva fumem. A prevalência é maior naquelas com idade inferior a 25 anos, índice escolar menor que 12 anos, solteiras e de baixa renda.

Substâncias tóxicas invadem a placenta

É preciso ficar claro que, quando uma mulher fuma durante a gravidez, o feto também fuma, pois recebe as substâncias tóxicas do cigarro através da placenta. Avaliações das placentas de fumantes têm mostrado mudanças estruturais deste órgão, que é responsável por levar o sangue com nutrientes e oxigênio para o bebê. Nas mulheres grávidas com tais alterações, essa entrega pode ficar dificultada.

Fumar pode resultar também em danos diretos ao material genético do feto. A nicotina provoca aumento do batimento cardíaco no feto, redução de peso no recém-nascido, menor estatura, além de alterações neurológicas importantes. Durante a amamentação, as substâncias tóxicas do cigarro são transmitidas para o bebê pelo leite materno.

Aliás, efeitos do fumo também estão associados a menores taxas de leite materno. E há relatos indicando que bebês de mães fumantes, quando alimentados logo após o fumo, dormiam menos do que quando essas mulheres não haviam fumado.

Já depois do nascimento, há outras doenças que são associadas ao tabagismo materno, tais como infecções respiratórias, otites, baixa estatura, hiperatividade, obesidade na infância e até diminuição do desempenho escolar.

Mulher não deve voltar a fumar

Não se pode esquecer, ainda, que a própria mãe continua exposta a riscos em relação ao cigarro, como, por exemplo, câncer de pulmão e outros. Recaída após o parto é um problema significativo, com até 90% de reincidentes no primeiro ano após ter dado à lua. Portanto, o acompanhamento médico dessas pacientes deve se manter.

Categorias
Gravidez Humor

Grávida de um romance

Olha só o que os hormonios fazem com uma mulher grávida!

Por isso eu gosto do Youtube, cada dia me sinto mais normal.

#vergonhaalheiafeelings

Categorias
Gravidez Humor

Grávidos

É tão bão saber que não se engorda sozinha…

Isso que é Márido!

Categorias
Gravidez

Bebê mexendo na barriga da mãe

Ou, ela engoliu um Alien.

Engraçado, hoje em dia me dá agonia ver um vídeo desse. Quando era na minha barriga eu não me importava